Mercado

Sebrae busca parceria em prol do empreendedorismo feminino

Sebrae busca parceria em prol do empreendedorismo feminino

Presidente da instituição participou de reunião com a empresária Luiza Trajano, para discutir a inserção da mulher nos pequenos negócios.

 

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) visa fomentar o empreendedorismo feminino para que as mulheres possam aumentar seus rendimentos, gerar empregos, ter sustentabilidade no mercado e, sobretudo, ser independentes e protagonistas de suas vidas. Essa foi a visão do presidente João Henrique de Almeida Sousa, apresentada em reunião com Luiza Trajano, empresária e presidente do Grupo Mulheres do Brasil.

De acordo com Luiza, o Grupo Mulheres no Brasil quer estimular o protagonismo feminino e ativar talentos por meio de parcerias. “As mulheres são mais da metade da população brasileira. 104 milhões de mulheres estudam, trabalham, são mães, filhas, esposas, funcionárias, empresárias e empreendedoras – pessoas que buscam e merecem conquistar um lugar digno e justo na sociedade”, completa.

Para o presidente do Sebrae, a união da instituição com o grupo pretende viabilizar o atendimento e o incentivo do empreendedorismo feminino no Brasil. “É um dever do Sebrae contribuir com conhecimento, conteúdo, capacitação e metodologia para promover a atuação dessas mulheres nos pequenos negócios. A inclusão produtiva das mulheres no empreendedorismo favorece a melhoria dos aspectos sociais, educacionais e indicadores de saúde tanto das empreendedoras quanto de suas famílias”, comenta João Henrique. 

De acordo com a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM 2018), as mulheres respondem por 48% dos empreendimentos iniciais e, na média, são mais escolarizadas. Porém, empresas lideradas por mulheres tendem a faturar menos e ser menos intensivas em inovação.

Ainda segundo a GEM 2018, o sexo feminino apresenta menor proporção em relação aos homens no grupo dos empreendimentos estabelecidos (43%). Essa diferença aponta que o impulso inicial para empreender é semelhante, porém, as mulheres enfrentam maiores dificuldades para fazer seus empreendimentos prosperarem.

“Existe uma correlação positiva entre maior produtividade econômica da mulher, principalmente empresárias, e o crescimento econômico de um País. O sexo feminino representa cerca de metade da população mundial e sua participação econômica como empreendedora, tende a produzir efeito multiplicador no crescimento econômico da sociedade”, pondera o presidente do Senai.

O diretor técnico do Sebrae, Vinicius Lages, também esteve presente ao encontro e comentou sobre a importância do investimento na área e o comprometimento da instituição em abraçar a causa. “A partir desta parceria, o Sebrae assume a responsabilidade de potencializar a atuação da instituição incorporando às ações de reconhecimento outras atividades como capacitação e acesso a mercados e inovação”.

 

Fonte: Primeira Página.

Redes Sociais