Indústria

Estados Unidos puxam exportações de calçados

Estados Unidos puxam exportações de calçados

Em maio, os embarques para o país foram superiores tanto em volume quanto em receita.

 

Os Estados Unidos seguem puxando as exportações de calçados brasileiros. No mês de maio, conforme dados elaborados pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), os norte-americanos importaram 782 mil pares de calçados, pelos quais foram pagos US$ 14,7 milhões.

Os resultados são superiores tanto em volume (63,7%) como em receita (80%) na relação com igual período do ano passado. Com isso, no acumulado dos cinco meses do ano, os Estados Unidos já somaram 5,6 milhões de pares importados do Brasil, pelos quais foram despendidos US$ 84,76 milhões, incrementos de 31,2% em pares e de 43,4% em receita no comparativo com período correspondente do ano passado.

O presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein, destaca que a guerra comercial, instalada entre Estados Unidos e China, tem feito com que os norte-americanos – que representam o maior mercado consumidor de calçados do planeta – substituam seus fornecedores, buscando importações em outros países.

"Os Estados Unidos importam mais de 2,3 bilhões de pares por ano, mais de 70% deles da China. Então o impacto é muito significativo", explica Klein, para quem o mercado brasileiro tem plenas capacidades de absorver boa parte da demanda norte-americana. Nos últimos cinco meses, continua o executivo, as vendas de calçados chineses para os Estados Unidos caíram mais de 70%.

Números gerais

Nos cinco primeiros meses, as exportações gerais de calçados chegaram a 52 milhões de pares, pelos quais foram pagos US$ 415,24 milhões, incrementos de 11% em volume e de 3,7% em receita no comparativo com igual período do ano passado.  

Apenas no mês passado, foram embarcados 7,6 milhões de pares por US$ 70 milhões, incrementos de 19% em pares e de 24,7% em receita no comparativo com mesmo período de 2018. Segundo Klein, além do incremento das exportações para os Estados Unidos, existe uma melhora em função da valorização do dólar, que auxilia na formação de preços mais competitivos no mercado exterior.

 

Leia também: Ações da Apex-Brasil posicionam o Brasil entre os cinco maiores países exportadores de couro

Leia também: “A Francal, com o espaço 100% Varejo, está de parabéns!”

 

Fonte: Abicalçados.

Redes Sociais