Notícias


Publicado em:
22
6/2018

Camex mantém alíquota de importação para três categorias de calçados

Para presidente da Abicalçados, redução poderia causar onda de desempregos no setor.



Metatags: Abicalçados, Camex, Importação, Empregos, Concorrência

A Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) comemora a manutenção da alíquota de importação de 35% para calçados de três NCMs (a maioria deles do segmento de esportivos). A resolução foi tomada em reunião realizada no dia 19 de junho, na Câmara de Comércio Exterior (Camex), órgão ligado ao Governo Federal que regulamenta as questões relativas ao comércio exterior de bens e produtos.

Originalmente, a solicitação dos importadores de calçados esportivos era de uma redução de 35% para 20% na alíquota, o que poderia provocar uma onda de desemprego na indústria calçadista nacional. "A Camex foi sensível ao nosso argumento, que teve o auxílio e embasamento técnico da AS Consultoria, de que com tal redução teríamos uma perda significativa de empregos", conta o presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein.

Atualmente a indústria calçadista gera, diretamente, cerca de 300 mil postos de trabalho em todo o País. Segundo Klein, a redução abriria as portas para a concorrência desleal, especialmente de grandes marcas esportivas produtoras na Ásia. "Sem a alíquota atual (35%), de 2000 a 2007 as importações de calçados aumentaram quase 500%, de 6 milhões de pares para 28,7 milhões. O fato destruiu empregos no Brasil, fechou fábricas. Seria um desastre, ainda mais em um momento conturbado para o setor, repetir o mesmo erro", avalia Klein, ressaltando que a atividade segue abalada pela queda da demanda, especialmente do mercado doméstico.

O presidente da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados, deputado federal Renato Molling, esteve à frente de extensa agenda de reuniões em Brasília em prol do setor calçadista e destacou a importância da indústria calçadista brasileira para a economia do Brasil. "O fortalecimento do setor é essencial para a geração de empregos e restabelecimento da economia do Brasil", comentou o parlamentar, que também é presidente da Frente Parlamentar em defesa do setor coureiro-calçadista e moveleiro.

Fonte: Assessoria Abicalçados


Últimas notícias

Bibi e Upixel lançam produtos inspirados na Pixel Art para o Dia das Crianças

Calçados, estojos e mochilas podem ser customizados em numerosas possibilidades
Leia Mais

Consultor fala sobre automação e padronização na indústria calçadista

Evento acontece no dia 27 de setembro, na sede do Sinbi, em Birigui, e tem inscrições gratuitas
Leia Mais

Usaflex e Vicenza confirmam presença na Francal 2019

Sediadas em Igrejinha/RS, importante polo calçadista nacional, Usaflex e Vicenza estão entre as empresas já confirmadas na Francal 2019.
Leia Mais