Notícias


Publicado em:
21
5/2018

Roupas, calçados e acessórios são estão entre os mais comprados por impulso

Segundo pesquisa, no mês de fevereiro 59% dos consumidores aproveitaram as facilidades do crédito para fazer compras não planejadas.



Metatags:

Com 19% da preferência, roupas, calçados e acessórios são os produtos que o consumidor mais compra por impulso, conforme pesquisa feita pela CNDL e SCPC em fevereiro, em todas as capitais brasileiras.

Em seguida vêm as compras em supermercados (17%), de perfumes e cosméticos (14%) e as idas a bares e restaurantes (13%). A aquisição de peças de vestuário e acessórios foi mais presente entre a parcela feminina de entrevistados (23%), ao passo que a compra de produtos eletrônicos ganhou destaque entre os homens (13%).

Segundo a pesquisa, no mês de fevereiro, seis (59%) em cada dez consumidores aproveitaram as facilidades do crédito para fazer compras não planejadas. Os especialistas do SPC Brasil explicam que a democratização do crédito no Brasil, principalmente entre as classes menos favorecidas, é um fenômeno que ganhou força apenas recentemente, de modo que muitos consumidores ainda não aprenderam a lidar com as consequências do seu mau uso.

Na opinião dos entrevistados, a internet é o canal de venda onde as opções de crédito mais levam os consumidores a parcelarem suas compras. Um terço (33%) dos consumidores acredita que as lojas online estimulam o consumidor a fazer novas compras ao oferecerem mais possibilidades de parcelamento. Outros tipos de estabelecimentos em que os entrevistados sentem a facilidade para dividir em várias vezes são as lojas de departamento (23%), supermercados (13%) e shopping center (12%).

Sobre o número de prestações em que dividem a compra, a pesquisa mostra que muitos consumidores não avaliam totalmente o impacto de uma compra a prazo no orçamento antes de se endividar. Em cada dez brasileiros que parcelam, um (15%) divide a compra no maior número possível de prestações, independentemente do valor. Outros 31% são mais prudentes e afirmam levar em consideração a alternativa com um número de parcelas que mais se encaixa a sua realidade financeira, enquanto 18% optam pela menor quantidade de prestações disponíveis.

Na hora de parcelar uma compra, o cartão de crédito ficou em primeiro lugar no ranking de preferência dos consumidores, com 66% de citações. O crediário vem em segundo, com apenas 13% de menções, e o financiamento aparece logo depois, com 4% de preferência. O cheque pré-datado foi citado por 1% dos entrevistados.

A pesquisa também mostra que mais da metade (53%) dos consumidores enfrentaram recentemente alguma situação em que o comerciante impôs dificuldades em aceitar certa modalidade de pagamento. Os meios que mais sofreram rejeição foram o crediário (33%) e o cheque pré-datado (29%).

Há ainda 24% de entrevistados que não conseguiram comprar usando o cartão de crédito e 21% que tiveram insucesso ao tentar usar o cheque à vista. A recusa do estabelecimento em não aceitar determinada modalidade fez com que 31% desses consumidores desistissem da compra. Outros 29% recorreram ao pagamento à vista para levar o produto para casa.

Quando indagados sobre como preferem realizar a maior parte dos seus pagamentos, um em cada dez (9%) consumidores disse que sempre prefere parcelar, independentemente das condições. Há ainda 14% que optam pelo parcelamento se as parcelas não pesarem no bolso. Outros 41% sempre pagam à vista, enquanto 34% só pagam em dinheiro ou cartão de débito se houver algum desconto vantajoso.

Desse modo, o dinheiro em espécie e o cartão de débito são as formas de pagamento mais comuns utilizadas para compras no dia a dia. No caso do dinheiro, ele se destaca principalmente nos gastos com serviços de beleza (63%), remédios (47%), alimentação fora de casa ou delivery (45%) e compras no supermercado (44%). Já o débito ganha força entre os consumidores na alimentação fora de casa ou comida delivery (26%), compras de supermercados (23%) e remédios (22%).

O cartão de crédito, seja em uma ou várias parcelas, é a modalidade de pagamento a prazo mais citada pelos entrevistados, utilizado principalmente, para gastos na aquisição de eletrônicos (46%), compras de roupas, sapatos e acessórios (37%) e gastos com remédios (25%).

Em fevereiro, 38% dos brasileiros realizaram alguma compra parcelada, sendo que na média, foram três compras a prazo por consumidor. Entre quem dividiu, a média de prestações está entre cinco e seis. Se considerados os três meses anteriores à pesquisa, no entanto, 58% dos consumidores têm evitado se endividar com crédito, especialmente no cartão de crédito parcelado (29%) e no crediário (16%).

A pesquisa ainda descobriu que, em fevereiro, 36% dos consumidores disseram ter recebido alguma oferta de desconto caso pagassem em dinheiro em vez do débito ou a prazo. A maior parte (52%) dos consumidores, contudo, afirmou não ter recebido esse tipo de oferta.

Fonte: ABLAC


Últimas notícias

Alto custo do frete é desafio para e-commerce

Estudo de Propensão ao Consumo da SAP aponta que custo da entrega é responsável por 70% do abandono da compra no carrinho.
Leia Mais

Proteja seu e-commerce de fraudadores internacionais

Atenção a países de risco, suspeitar de endereços de IP e desconfiar de compras incomuns em larga escala estão entre as dicas.
Leia Mais

Feira calçadista na Itália gera mais de US$ 7 milhões em negócios para o Brasil

As 44 marcas verde-amarelas presentes comercializaram 431,3 mil pares de calçados. A expectativa para os próximos meses é que as negociações ultrapassem os US$ 20 milhões.
Leia Mais