Notícias


Publicado em:
30
11/2017

Intenção de consumo atinge o maior patamar desde maio de 2015

Dos sete itens analisados pelo ICF, seis apresentaram crescimento em relação a outubro. O destaque positivo foi o item Perspectiva de consumo, que passou de 81,5 para 86,6 pontos.



Metatags:

Em novembro, o índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) registrou 82,6 pontos, o maior patamar desde maio de 2015. Em relação a outubro, o crescimento foi de 2,8% e, no contraponto anual, de 11,7%. O ICF é apurado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio/SP) e varia de zero a 200 pontos, sendo que abaixo de 100 pontos significa insatisfação e acima de 100, satisfação em relação às condições de consumo.

Foram analisados sete itens pelo ICF, seis apresentaram crescimento em relação a outubro. O destaque positivo foi o item Perspectiva de consumo, que passou de 81,5 para 86,6 pontos, alta mensal de 6,3% e elevação de 25,8% em relação a novembro do ano passado. Apesar de ainda estar na área de insatisfação, esse é o maior patamar, para o item, desde março de 2015 – em um ano, aumentou de 20% para 28%. Os entrevistados que disseram que o consumo de suas famílias e da população em geral tende a aumentar em relação ao ano passado.

O item Nível de consumo atual passou dos 52,2 pontos para 53,1 pontos em novembro, alta de 1,8% no comparativo mensal. Na base de comparação, anual houve acréscimo de 25,8%. Apesar de ter a pior avaliação do ICF no mês, a proporção de entrevistados que dizem estar consumindo menos do que há um ano caiu de 65%, em 2016, para 58%.

Outro destaque foi Perspectiva profissional, que subiu 4,4% e volta a ser o item mais bem avaliado do ICF, com 106,1 pontos. No entanto, na comparação anual, foi o único que sofreu queda, de 1,8%. De qualquer forma, a maioria dos paulistanos acredita que pode haver uma melhoria profissional para o responsável do domicílio nos próximos seis meses.

O item Emprego atual teve leve queda mensal (-0,6%), mas subiu 3,9% no contraponto anual chegando aos 102,5 pontos.

O item Renda atual atingiu, em novembro, 92,5 pontos, com elevações mensal de 3% e anual de 12,3%. Segundo assessoria da Fecomércio/SP, o baixo nível da inflação, o resgate dos recursos do PIS/Pasep e mais expectativa de recebimento do décimo terceiro salário, proporcionaram um aumento no item.

O segmento que mostra o Acesso ao crédito registrou em novembro alta de 2,3% e atingiu os exatos 80 pontos. São 27% dos entrevistados que disseram estar mais fácil contrair financiamento para compras a prazo, sendo que há um ano estava em 21%. De acordo com a Federação, a queda da taxa de juros contribuiu para o barateamento do crédito ao consumidor. Como as condições econômicas das famílias estão melhorando, o sistema financeiro volta gradualmente a expandir a oferta de crédito de forma a reduzir a seletividade.

Por fim, o item Momento para duráveis cresceu 2,6% em relação a outubro e 17,4% na comparação anual, o índice bateu nos 57 pontos. O nível ainda é muito baixo, mas passou de 74% para 68% os entrevistados que disseram ser um mau momento para compra de bens duráveis.

Na análise por faixa de renda, houve crescimento para ambos os grupos. O índice para as famílias com renda abaixo de dez salários mínimos cresceu 2,3%, na comparação mensal, e 9,3%, na anual, chegando aos 80,3 pontos. O índice de Intenção de consumo das famílias com renda superior a essa faixa, porém, passou de 85,5 pontos em outubro para 89,2 pontos nesta última tomada, alta mensal de 4,3% e anual de 18,7%.

Para a Fecomércio/SP, o ICF parece estar consolidando um novo ciclo de alta para encontrar um novo patamar mais elevado. O que vinha contribuindo ao longo do ano eram os dados de inflação e juros, basicamente. Como os números do mercado de trabalho vêm melhorando e alastrando por cada vez mais setores, propicia além do aumento da renda, mais segurança para o consumo. Além disso, com a entrada dos recursos do décimo terceiro salário e demais fatores mencionados, vai dar um estimulo a mais ao consumo, para concretizar a expectativa da Fecomércio/SP para o crescimento das vendas no varejo paulistano, no mês de dezembro, de 6% superiores às de 2016.

Fonte: ABLAC


Últimas notícias

Sete passos para turbinar as vendas da sua loja

Organização, cross selling e promoções estão entre as dicas do especialista André Romero para um planejamento estratégico eficaz.
Leia Mais

Franca sedia seminário sobre inovação na cadeia produtiva

Com uma programação recheada de cases e palestras sobre temas voltados ao setor, evento faz parte de um programa de competitividade lançado em maio deste ano.
Leia Mais

Com novo conceito, Democrata entra na moda streetwear

Empresa espera aumentar as vendas em 25% com o lançamento da linha Urban
Leia Mais