Notícias


Publicado em:
28
11/2017

Setor de calçados retoma crescimento em 2017

Projeção do IEMI Inteligência de Mercado, de São Paulo, é positiva para o setor calçadista em 2017.



Metatags:

A estimativa é de um crescimento de 2,6% na produção sobre 2016, totalizando 972,6 milhões de pares, e continuidade da recuperação verificada no ano passado, quando o volume de pares fabricado registrou leve incremento de 0,6% sobre 2015, atingindo a casa de 948 milhões.

Em valores de produção para 2017, haverá manutenção da sequência de crescimento, porém menor em relação a alta do ano passado, com aumento de 3,9% sobre 2016 (R$ 31,7 bilhões). No ano passado, o crescimento foi 5,8% sobre 2015 (R$ 30,5 bilhões).

Em relação a 2017, a estimativa para o varejo é de alta de 1,9% sobre 2016 em pares vendidos (848,9 milhões de pares). Em receita (valores nominais), houve alta de 4,6% no varejo de calçados sobre 2015 (R$ 50,9 bilhões). Em 2017, estima-se crescimento nos valores comercializados em 5,6% sobre 2016 (R$ 53,7 bilhões).

Durante a crise, há menos consumidores dispostos a comprar, mas dentre os que compraram calçados recentemente não houve alteração na quantidade de pares adquiridos por compra, ficando em dois pares. O IEMI observa também, por meio de seu estudo focado no comportamento do consumidor, que a frequência de compra de calçados em geral aumentou levemente, de 3,6 para 3,8 compras de calçados por ano. Em contrapartida, a frequência de compra das mulheres se manteve superior à dos homens em 2017, com média de 4,4 compras realizadas contra 2,9 em relação aos homens.

A queda no consumo, na verdade, ficou caracterizada pelos consumidores das classes C e D/E, que compravam em média 3,4 pares em 2014 e passaram a comprar 3,0 pares em 2017, e as classes A e B tiveram um aumento na frequência de compra de 4,2 pares em 2014 para 4,7 pares em 2017, praticamente aproximando a média de frequência de compra de calçados em geral de 2014.

O valor gasto por compra (ticket médio), por sua vez, subiu em mais de 12%, passando de uma média de R$ 191,87 para R$ 215,84 por compra. Em que pese a inflação do período, o que realmente puxou este gasto para cima foi o aumento no contingente de consumidores de renda mais elevada (poder de compra A e B), enquanto diminuíram os consumidores de menor renda, justamente os mais afetados pela recessão.

Marcelo Prado, diretor do IEMI, afirma que o setor tem boas perspectivas. “Considerando toda a demanda que ficou reprimida durante o ápice da crise, num momento de melhora da economia, o desempenho no varejo de calçados deve apresentar recuperação”, diz. Segundo ele, num período de crise, quando a produção é reduzida, os artigos mais elaborados, com maior valor agregado, ganham participação no mercado e elevam o preço médio por peça na indústria.

“Diante de um cenário econômico mais estável, a relação entre volume e valores na produção tende a ficar mais equilibrada”, conclui.

Fonte: ABLAC


Últimas notícias

Sete passos para turbinar as vendas da sua loja

Organização, cross selling e promoções estão entre as dicas do especialista André Romero para um planejamento estratégico eficaz.
Leia Mais

Franca sedia seminário sobre inovação na cadeia produtiva

Com uma programação recheada de cases e palestras sobre temas voltados ao setor, evento faz parte de um programa de competitividade lançado em maio deste ano.
Leia Mais

Com novo conceito, Democrata entra na moda streetwear

Empresa espera aumentar as vendas em 25% com o lançamento da linha Urban
Leia Mais