NewsletterGoogle PlusTwitter Facebook

Publicado em:
15
5/2017

Abicalçados participa de encontro com secretários de polos calçadistas gaúchos

Evento foi promovido pelo Sebrae do Rio Grande do Sul no último dia 10, no auditório da Fenac, em Novo Hamburgo/RS.

A Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) participou no dia 10 de maio de encontro com secretários de Desenvolvimento Econômico de 10 municípios dos vales do Sinos e Paranhana, dois dos principais polos calçadistas brasileiros sediados no Rio Grande do Sul. O encontro foi promovido pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Sul (Sebrae/RS), no auditório da Fenac, em Novo Hamburgo/RS.

Na oportunidade, o presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein, apresentou os números do setor calçadista mundial e brasileiro, destacando o potencial das regiões dos vales do Sinos e Paranhana. Segundo o dirigente, apenas dois continentes respondem por quase a totalidade dos calçados produzidos no mundo (22 bilhões de pares), a Ásia e a América do Sul, sendo que o primeiro respondeu pela produção de quase 17 bilhões de pares no ano passado e o segundo por 1,3 bilhão.

Desses 1,3 bilhão de pares produzidos, o Brasil respondeu por 944 milhões, sendo o principal produtor do continente. “Do total produzido pelo País, o Rio Grande do Sul, especialmente os polos calçadistas aqui representados, responderam por quase 20% da produção. O Estado fica atrás, em volume produzido, apenas do Ceará, que tem uma produção mais voltada para sandálias praianas e injetados”, explicou.

Klein ressaltou, ainda, que as regiões dos vales do Sinos e Paranhana possuem uma vocação para a produção de calçados, tendo, num raio de 80 km, “todo o necessário para a confecção de sapatos”. Para o dirigente, com o aumento de custos de produção na China, se abre uma porta de oportunidades para o desenvolvimento do cluster gaúcho.

“Ao mesmo tempo em que a China diminui a sua produção e exportação de calçados, por uma pressão relativa a custos produtivos, aumenta o seu consumo interno por esses produtos", ressalta o executivo, acrescentando o potencial exportador do Rio Grande do Sul, que responde por cerca de 45% do total de valores gerados pelos embarques nacionais de calçados.

Listando uma série de forças do setor calçadista nacional (reconhecimento nacional e internacional; existência de cluster completo; flexibilidade de produção; capacidade produtiva instalada; e know-how produtivo), Klein destacou o potencial do segmento.

Porém, para aproveitar plenamente essas vantagens competitivas, é preciso investir em um novo modelo de indústria, que traga os conceitos de manufatura avançada ligados à Indústria 4.0. “Hoje temos fábricas que são exemplos desse tipo de produção, por isso mais competitivas, mas ainda são minoria”, concluiu. Segundo ele, eventos como o promovido pelo Sebrae são fundamentais para que se criem bases para o desenvolvimento desse novo modelo industrial.

Na segunda parte do encontro, após apresentação de ações do Sebrae para o desenvolvimento do setor calçadista, realizadas pelos gestores da entidade Maico Fernandes e Caroline Rostirolla, os secretários de Desenvolvimento Econômico dos municípios de Três Coroas, Estância Velha, Campo Bom, Igrejinha, Novo Hamburgo, Dois Irmãos, Araricá, Nova Hartz, Parobé e Sapiranga foram reunidos em três grupos para discutir ações que já existem e que podem ser realizadas em prol do desenvolvimento setorial. Na ocasião foram listados os incentivos municipais já existentes e outros que podem ser viabilizados para a manutenção e geração de novos postos, com um modelo produtivo mais moderno e eficiente.

A secretária de Desenvolvimento Econômico de Novo Hamburgo, Paraskevi Bessa-Rodrigues, destacou a relevância da iniciativa do Sebrae, de trazer os secretários dos principais municípios produtores de calçados do Rio Grande do Sul para debater políticas públicas para a competitividade setorial. “Precisamos de mecanismos para atualizar o modelo produtivo, com a incorporação de novas tecnologias. Como gestora, me preocupa o fato de que 47% das pessoas empregadas na cidade trabalhem com o setor”, comentou.
O gerente regional dos vales do Sinos, Cai e Paranhana do Sebrae gaúcho, Marco Aurélio Copetti, encerrou o encontro exaltando o sucesso da iniciativa. "Aqui está a inteligência política que vai desenvolver o setor nos próximos anos", concluiu.
Participou do encontro também o secretário adjunto de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Evandro Fontana. Durante o exercício os gestores presentes receberam questionários que levantaram subsídios para novas ações em parceria com o Sebrae regional.

Fonte: Primeira Página